Ontem, dia 1 de junho, o Serviço Municipal de Proteção Civil promoveu uma visita de trabalho ao entreposto de logística da Sonae localizada na Cruz do Campo, freguesia de Pontével e que tem 46 trabalhadores.

A visita foi acompanhada pela Delegação de Saúde do Cartaxo e pela GNR, com o objetivo “de aferir as medidas de contingência adotadas pela empresa, naquela unidade”, explica a Câmara Municipal em comunicado.

Com esta ação, foi possível “confirmar que há um caso positivo de COVID-19 entre os trabalhadores” desta empresa. Durante o dia de hoje, as autoridades de saúde efetuaram “testes de despistagem da doença a todos os restantes 45 trabalhadores da unidade”, explicou Pedro Ribeiro, presidente da autarquia, citado em comunicado.

A maioria dos trabalhadores residem fora do concelho do Cartaxo, sendo que não é possível saber quantos trabalhadores são residentes no Cartaxo, devido à proteção de dados pessoais.

Sabe-se ainda que este entreposto não trata bens alimentares, tendo como tarefa principal o tratamento de bens utilitários – casa e bazar –, ou embalamento de artigos de campanhas específicas para distribuição nas lojas Continente.

Quer a Delegação de Saúde do Cartaxo, quer o Serviço Municipal de Proteção Civil concluíram que “estão a ser adotadas medidas de prevenção de contágio” e “que as indicações da Direção-Geral da Saúde estão também a ser cumpridas”, acrescentou Pedro Ribeiro.

Adicionalmente, estão ainda a ser dadas várias recomendações aos trabalhadores, que vão desde as regras de utilização dos equipamentos de proteção individual, passando pela higienização pessoal e dos materiais de trabalho, até aos comportamentos recomendados nos transportes públicos, entre outros.

A empresa organizou os trabalhadores num turno único, tendo desfasado os tempos de pausa e refeições, para diminuir a possibilidade de concentração de pessoas nos espaços comuns.

Até ao dia de hoje, o concelho do Cartaxo conta com 18 casos positivos de COVID-19 e 37 pessoas em vigilância ativa. Há ainda 46 pessoas recuperadas e um óbito a lamentar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *