O Município do Cartaxo estabeleceu um protocolo de colaboração com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), assegurando a criação de um pólo de atendimento no concelho. O trabalho direto da APAV, no Cartaxo, será desenvolvido no âmbito da Equipa Móvel de Apoio à Vítima da Lezíria do Tejo.

Esta parceria permitirá a criação de um pólo de atendimento no Cartaxo, que prestará serviços de apoio emocional, jurídico, psicológico e social às vítimas de crime, seus familiares e amigos.

O protocolo foi assinado no passado dia 8, por Pedro Ribeiro, presidente da Câmara Municipal, e João Lázaro, Presidente da Direção da APAV. A assinatura deste documento, vai permitir “reforçar o serviço de atendimento e apoio à vítima no concelho”, escreve a autarquia em comunicado.

Ainda na mesma cerimónia, estiveram presentes Elvira Tristão, vereadora responsável pela área de Ação Social e Saúde do município, Carmen Ludovido, gestora do Gabinete de Apoio à Vítima de Santarém e da Equipa Móvel de Apoio à Vítima da Lezíria do Tejo da APAV (EMAV_LT|APAV), e ainda Conceição Reis, coordenadora técnica da área de Ação Social e Saúde do município.

Neste ato, o presidente da Câmara Municipal, e citado no mesmo comunicado, destacou a necessidade sentida pelo município de “reforçarmos a nossa missão de apoio à vítima. Este protocolo garante à nossa área de Ação Social e Saúde a possibilidade de contar com a presença regular de uma equipa técnica especializada que traga ao trabalho já desenvolvido, um reforço de meios”.

O protocolo vem ainda responder à necessidade de qualquer “vítima de violência precisar de sentir segura para denunciar a situação dolorosa que vive, o medo que sente, a ameaça que sobre ela recai”, pelo que o presidente da Câmara Municipal defende que a possibilidade de ser atendida por técnicos que não pertencem à sua comunidade, “pode ajudar a vítima de qualquer tipo de violência, a partilhar toda a dimensão do seu sofrimento, diminuindo o embaraço que sente e que, muitas vezes, a impede de pedir ajuda”.

A relevância da criação da Equipa Móvel de Apoio à Vítima da Lezíria do Tejo, e os protocolos que a APAV vai estabelecer no âmbito deste projeto com os municípios, foram destacados pelo Presidente da Direção da APAV.

Para João Lázaro, o facto da APAV conhecer muito bem o território, vai permitir um trabalho em rede, com as instituições e organizações públicas e privadas. “O nosso objetivo é, através da itinerância, ativar cada vez mais as redes de apoio e a comunidade”.

A APAV vai articular o seu trabalho com as estruturas e respostas locais já existentes, prestar formação específica a um técnico do município – formação esta que decorrerá no seu no centro de formação da APAV – e irá, ainda, promover ações de informação e sensibilização à população do município.

O protocolo define ainda que a APAV apresente ao município o relatório das suas atividades e plano de atividades, assim como, a elaboração de estatísticas dos processos de apoio em cada ano civil.

O Polo do Cartaxo atenderá às terças-feiras, das 9h30 às 12h30, no edifício José Tagarro, situado na Rua Marcelino Mesquita, onde já funcionam os serviços da área de Ação Social e Saúde do Município.

Fonte: CM Cartaxo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *