“Seria de todo desejável que a Celtejo tenha o bom senso de assumir a reparação dos danos ambientais e económicos causados pela deterioração causada ao rio Tejo, com maior gravidade nos últimos três anos, e de retirar a ação interposta contra o Arlindo Consolado Marques, membro do proTEJO e seu secretário da mesa do Conselho Deliberativo, por ofensas à sua credibilidade e bom nome”, lê-se no documento divulgado hoje nas redes sociais por esta associação.
Os desenvolvimentos e conclusões dos últimos dias, estão a dar razão ao ambientalista.
Das três empresas cujas estações de tratamento de águas residuais industriais (ETARI) foram analisadas pelos inspectores do ambiente, duas – a Navigator e a Paper Prime – cumprem com os valores de descarga de efluentes permitidos. As análises à Celtejo, surgirão mais tarde.

Tejo 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *